Sisley Crème Gommante Pour Le Visage

Availability:
In Stock
Product Code:
PER-PT-8141
Brand:
Sisley
76.50 51.90

You save 24.60€

Not yet rated Write a review

In case the product is out of stock, click on it and choose the option “Notify me”.

All products are original with taxes and fees included.

Share in social media

Um creme exfoliante que trabalha delicadamente para remover as impurezas da superfície da pele.


O Buffing Cream aplica-se como uma máscara e depois "rola-se" com os dedos, levando as células mortas e as impurezas que tornam a tez baça.

    A fórmula muito suave contém Matricaria, que tem propriedades calmantes e suavizantes particularmente benéficas para peles frágeis.
    O uso regular ajuda a afinar a textura da pele e a mantê-la suave e uniforme.
    Ao estimular a epiderme, o Buffing Cream aumenta a sua recetividade aos restantes produtos de cuidado da pele.

Instruções de Utilização
Aplique uma camada fina de Buffing Cream no rosto e pescoço limpos e secos; evite a área do contorno dos olhos.

Deixe secar 1 minuto, depois massaje com movimentos ascendentes suaves.
Enxague abundantemente com água limpa e complete com o tónico mais adequado para o seu tipo de pele.

Peles mistas e oleosas podem usá-lo duas ou três vezes por semana; para as peles finas ou secas, uma ou duas vezes por semana é suficiente.
Para melhores resultados, use o Buffing Cream antes de uma máscara.

Esfoliante, Peeling

As diferenças entre esfoliação e Peeling químico


A renovação regular da pele é essencial. Importante saber qual o método a adotar: esfoliação ou peeling químico (descamação)?

Para ter uma pele clara e suave, a esfoliação é essencial. Sendo este um processo mecânico, limpa com partículas, como o açúcar. Difere do peeling químico cujo processo utiliza químicos, para provocar a descamação da pele.


Esfoliação


Por esfoliação, entendemos a eliminação de células mortas que permanecem na superfície da epiderme. Este tratamento facial faz parte de uma boa rotina básica de beleza, para suavizar a pele e facilitar a absorção dos produtos hidratantes, aplicados posteriormente. Recomenda-se esfoliar uma vez por semana para não fragilizar a epiderme e, assim, não causar distúrbios na produção de sebo. De fato, essa prática pode danificar o filtro hidrolipídico, se realizada com muita frequência. Quando menos protegida, a pele fica mais vulnerável a agressões externas.
O esfoliante funciona graças à sua composição, mas acima de tudo, dos movimentos realizados com os dedos. Apresentado na forma de gel ou creme, contém partículas que permitem desobstruir os poros. Para ativar esse efeito, basta fazer movimentos circulares, evitando a área dos olhos e adaptando a massagem à tolerância da pele. Essa técnica permite uma limpeza profunda, ideal para purificar e remediar pequenas imperfeições, como cravos. Também reativa a microcirculação e estimula a regeneração celular. Qualquer que seja o tipo de pele, você deve sempre escolher um produto macio, não muito abrasivo, que respeite o equilíbrio natural da epiderme.


Peeling químico ou descamação


Para uma pele com casca, deixamos o produto químico fazer todo o trabalho, como os ácidos que causam esfoliação química. No entanto, essa não é uma solução fácil. Dependendo do grau escolhido, superficial, médio ou profundo, as consequências para a pele podem ser radicais. Por exemplo, o mais profundo "é extremamente forte e deve ser realizado na sala de cirurgia sob anestesia", explicou o cirurgião plástico Alexandre Duvernois. Este processo agressivo é bastante recomendado para mulheres maduras, uma ou duas vezes por ano, para renovar a pele e apagar rugas. Os tratamentos de descamação, com uma leve concentração, geralmente à base de ácido glicólico a 10%, não precisam ser realizados por um cirurgião plástico ou por um dermatologista.  Estão disponíveis e podem ser aplicados em casa para eliminar a pele morta e recuperar uma pele fresca. No entanto, continuam a ser agressivos e podem não ser adequados para peles sensíveis. É sempre essencial testá-los antes de aplicá-los em todo o rosto.


Tratamento do rosto

Para manter o rosto impecável. Melhore as suas rotinas de beleza e de cuidado com a pele através de nossa oferta de marcas e produtos especializados em cuidados para limpar, tonificar, cuidar e proteger o rosto feminino.

Cosméticos para Mulheres

O que é natural ou não nos cosméticos?

Parece haver uma confusão entre produtos de síntese petroquímicos e toxicidade, especialmente quando se trata de cosméticos. Aqui estão algumas chaves para entender melhor.
Nos últimos anos, houve uma consciência da composição e do impacto do que consumimos todos os dias, também em torno da indústria de cosméticos e das substâncias utilizadas.

Químico ou natural?

Muitas vezes, essa tensão surge de uma dicotomia entre "produtos químicos" e "produtos naturais", sendo este último apresentado como melhor.
No entanto, há uma nuance a ser observada, porque quem diz "químico" não significa necessariamente prejudicial, tóxico ou controverso!

"Produtos químicos"O que é exatamente um produto químico em cosméticos?

É um termo genérico que não significa muito do ponto de vista científico. Essa expressão é frequentemente usada pelo público em geral para designar um produto de síntese ou, em um sentido mais amplo, algo que sofreu uma transformação pelo homem. No entanto, reações químicas também ocorrem em contato com vários produtos naturais que não são processados. Por exemplo, misturando limão e giz (que é uma rocha calcária), você pode obter CO2!
O que é um produto de síntese? A síntese química consiste em criar moléculas através da montagem de produtos já existentes, geralmente provenientes de petroquímicos. Os processos de criação podem variar de aquecimento a extração de moléculas para alterar seus caracteres biológicos, montando-os de maneira diferente.
No entanto, temos compostos sintéticos que não usam petroquímicos, como silicones, que são criados de maneira bastante diferente.

Porquê usar substâncias de síntese em cosméticos?

Uso de substâncias de síntese para diversificar a experiência sensorial
Substâncias de síntese são usadas para obter diversidade de texturas, fragrâncias, cores e detergentes (ação de limpeza), de produtos cosméticos. Também é necessário preservar os produtos. De fato, até o momento, os químicos não possuem conservantes naturais tão eficazes quanto os conservantes de síntese. Um conservante natural pode impedir a proliferação de bactérias, fungos e leveduras por 1 a 2 meses no máximo, especialmente se o produto cosmético for sólido. É muito mais complicado para cremes e líquidos.

Uso de substâncias de síntese numa abordagem económica e ecológica

Há também um imperativo económico e ecológico, porque o cultivo de ativos naturais é caro e pode levar ao desperdício, como por exemplo cultivar campos inteiros de abacate para extrair o óleo. Consumirá muita água, enquanto um ativo à base de abacate consumirá menos energia e será facilmente reproduzível. É também por esse motivo que os químicos esforçam-se para isolar as moléculas responsáveis pelos benefícios e reproduzi-las para obter a máxima eficiência. Por exemplo, os flavinóides contidos na árvore de Gingko Biloba drenam e ativam a microcirculação e é isso que encontramos, nós consumidores, em cremes para a área dos olhos! E isso, sem cultivar florestas inteiras.

Compostos de síntese que não podem ser substituídos por compostos naturais

Por unanimidade, as jovens responderam “não”: certos produtos não podem ser reproduzidos por ingredientes ativos naturais. Eu cito, por exemplo, emulsificação - essa é a razão pela qual o champo natural não faz espuma. Da mesma forma, o toque trazido pelo silicone não existe naturalmente. Caso contrário, é por isso que os rótulos orgânicos Ecocert e Cosmebio atualmente toleram 5 conservantes de síntese. Uma grande parte dos ingredientes da síntese são derivados naturais que foram usados. Portanto, pode encontrar produtos equivalentes, mas será necessariamente menos poderoso que a versão concentrada e mais caros.

Não é possível tornar 100% natural em larga escala?

Admitindo que 100% natural inclui ingredientes naturais e de origem natural, é possível, mas esses produtos não vão ficar bons e esta é uma preocupação ao oferecê-los aos consumidores. Os produtos naturais ou orgânicos certificados podem anunciar composições com 97 ou 99% de natural porque os únicos compostos de síntese são conservantes. Por outro lado, para certos produtos como óleos, os químicos adicionam vitamina E (tocoferol)! Conclusão: a maneira natural de fazer o seu proprio produto em casa, não gera problemas, mas em escala industrial, é mais complicado.

Os "ingredientes de origem natural" e os ingredientes orgânicos


O que significa "ingredientes de origem natural"?
Um ingrediente de origem natural sofreu uma modificação e não está no mesmo estado em que saiu da planta ou mineral de onde provém. É o caso, por exemplo, de ingredientes obtidos por fermentação, como o ácido hialurónico, obtidos de leveduras às quais se adicionam os químicos.
O mesmo vale para o sabão, obtido por um processo de saponificação.
Certos ingredientes não são de origem natural?
Sim, alguns ingredientes não são de origem natural: a sua origem é puramente petroquímica. É o caso de vaselina e óleos minerais.

Os ingredientes orgânicos são realmente melhores?


Os estudos atualmente disponíveis mostram que os vegetais não tratados que tiveram que se defender contra o ambiente para crescer, são mais carregados com nutrientes, por isso são considerados bons. A produção orgânica também respeita mais o meio ambiente, como imagina.
Quando adicionamos a isso uma certificação orgânica no produto final, é uma garantia de rigor com controles em toda a cadeia de produção.

No processo de certificação de um produto orgânico, auditaremos toda a cadeia de produtos, ou seja, partimos do agricultor que cultiva as suas azeitonas para a marca que vende o produto ao consumidor.
Com todos esses players, verificaremos se os regulamentos (na agricultura orgânica para azeitonas e óleo) e os padrões (Ecocert ou Cosmos desde 2017 para a parte de cosméticos) são bem respeitados.
Por exemplo: nenhum produto de limpeza ambientalmente tóxico é usado para limpar os tanques de fabricação, etc.
Esses rótulos garantem a ausência de substâncias controversas.
Observe que algumas certificações funcionam de maneira diferente; portanto, descubra as especificações daqueles que lhe interessam!

Substâncias tóxicas e controversas

O que é uma substância controversa?
Ah, finalmente, abordamos o assunto das famosas substâncias controversas. Esses ingredientes foram objeto de estudos que parecem indicar que podem representar um risco para a saúde do consumidor. O problema é que não há consenso na comunidade científica; portanto, algumas pessoas advogam não usá-las enquanto outras desejam mais estudos. Enquanto isso, esses ingredientes às vezes são substituídos por outros, em comparação aos quais a ciência realmente não se afasta porque foram inventados recentemente. Um exemplo é o parabeno. Os parabenos (existem vários tipos) têm sido desaprovados porque um estudo vincula a presença de certos parabenos ao cancro de mama em ratos.
Como mais ninguém comprou produtos com parabenos, os laboratórios decidiram substituí-lo pelo MIT (MethylIsoThiazolinone), outro conservante muito poderoso.
E sem sorte, o MIT não é realmente bom, como prova, agora é proibido. Porém,  ninguém sabia entre os consumidores.
Este exemplo é um dos motivos que explicam por que as composições não são sistematicamente alteradas em caso de suspeita não comprovada.

Como reconhecer substâncias perigosas na composição de um cosmético?

Esta questão permanece complexa.
Primeiro, há a regulamentação europeia como o primeiro filtro; essa legislação proibe os ingredientes quando os riscos à saúde são demonstrados. Se produtos de países fora da UE contiverem um ingrediente proibido, será o primeiro sinal de alerta.
Além disso, o mesmo estudo realizado por um laboratório independente é frequentemente interpretado de maneira diferente.
O limiar de consumir o máximo possível de produtos naturais é apenas o primeiro passo, porque nem tudo está disponível em um estado natural e natural não é sinónimo de segurança.
Natural muitas vezes significa "inerte à saúde" para as pessoas, e isso não é verdade. Pelo contrário, existem medicamentos para o cancro desenvolvidos a partir de ingredientes ativos vegetais, comprovando, se necessário, que a natureza é muito potente.
Tudo isso para dizer que o risco zero não existe e não é por má vontade dos laboratórios, mas também porque nos movemos muito rapidamente e que nem sempre temos perspectiva de tudo.


Cosméticos

Apresentação dos cosméticos. O que são cosméticos?

Os cosméticos são substâncias e preparações não medicinais destinadas a serem colocadas em contacto com as diferentes partes superficiais do corpo humano (por exemplo, epiderme, dentes, unhas, cabelo, lábios, etc.), com vista a um risco que deveria ser zero. Os cosméticos, portanto, não atuam em profundidade e não são essenciais para o bom funcionamento do corpo. Na verdade, eles são reservados para cuidados com o corpo, beleza e limpeza, e o seu único propósito é limpar, embelezar, proteger e perfumar  o corpo.
É importante não confundir cosmética com cosmético: na verdade, cosmética refere-se ao mundo dos cuidados com a pele, todas as técnicas, processos e produtos usados para embelezar-se, enquanto o cosmético é o produto em si mesmo.

Usar ou não Cosméticos?

Os cosméticos vêm em diferentes formas (géis, cremes, emulsões, loções, etc.) e têm uma finalidade que permanece direcionada, ou seja, a busca pelo bem-estar, sem serem medicamentos. Além disso, todos os cosméticos têm uma composição aproximadamente semelhante, ou seja, são compostos por excipientes, substâncias ativas e aditivos.
•    O excipiente: permite que a substância ativa atue onde deveria. Ele define a aparência física final do cosmético e sua consistência (creme, gel, etc.), sendo a principal substância do cosmético. Os excipientes mais usados são água, óleos e álcool. Mas também existem excipientes naturais, de origem vegetal, como a amêndoa doce, o abacate ou a manteiga de karité. Pelo contrário, os silicones são excipientes de origem sintética.
•    A substância ativa: confere ao cosmético propriedades de "cuidado" e, portanto, não é a substância cosmética mais importante em termos de quantidade do produto final. Zinco, vitaminas, argila, algumas frutas e vegetais, são substâncias ativas encontradas em muitos cosméticos.
•    O aditivo: fortalece e estimula a ação do cosmético. Conservantes, antioxidantes, corantes e adjuvantes (para colorir, perfumar, fazer espuma, etc.) são aditivos cosméticos.

São cosméticos:
•    Produtos de higiene para o corpo, como pasta de dente, gel de banho, champô, desodorizante.
•    Produtos para a pele, que muitas vezes vêm na forma de um creme, como creme anti-rugas, creme de dia e de noite, protetor labial, máscara facial, etc.
•    Produtos para o cabelo, que, portanto, são aplicados diretamente no cabelo, como condicionador, spray para cabelo, gel, tintas.
•    Produtos de maquilhagem, usados principalmente por mulheres, como rímel, delineador, gloss, base, blush, batom, esmalte, autobronzeador.
•    Perfume, colónia e água de toilette.
•    Produtos solares, para proteger a pele dos raios ultravioleta, como protetores solares, depois da exposição aos raios ultravioleta, depois de cremes e loções solares.
•    Produtos de barbear e depilatórios, como espuma de barbear, espuma pós-barba e creme depilatório.
•    Preparações para banhos e chuveiros, como sal de banho, banho de espuma e óleo de banho.

Não são cosméticos:
•    Produtos alimentares, porque os cosméticos não podem ser consumidos.
•    Medicamentos ou drogas, porque cosméticos não curam.

Cosméticos e a sua história

Os primeiros usos dos cosméticos são quase tão antigos quanto os humanos. Já em tempos pré-históricos, as pessoas produziam tintas corporais de origem mineral, misturadas a substâncias gordurosas.

Mulher da Pré-história
Na Antiguidade, desde a invenção da escrita até a queda do Império Romano em 476 DC, os humanos continuaram a usar cosméticos. São povos inteiros como os egípcios, babilónios e hebreus que usavam cosméticos para fins mágicos, médicos e rituais. Eles também já estavam usando muitos cosméticos como tintas para o corpo e rosto, óleos, perfumes e pomadas (para funerais, ou mumificação, por exemplo).

Mulheres de nacionalidade egípcia, babilónica e hebraica
As antigas civilizações do Oriente Médio, por outro lado, pareciam particularmente interessadas nos olhos, uma vez que cosméticos como o kohl (sombra, preta ou cinza), serviam de proteção contra as moscas e o sol ofuscante. Os egípcios, entre outros, usavam uma pasta verde feita de malaquita pulverizada (pedra verde) e também uma mistura preparada com ovos de formiga triturados, além da hena (um arbusto cujas folhas permitem fazer tinta de cabelo vermelho ou amarelo) para tingir diferentes partes do corpo, como cabelo, unhas, palmas das mãos e plantas dos pés.

Maquilhagem Khôl, Malaquita ,Tatuagem de Henna
Naquela época, maquilhagens como sombras, pós para clarear a tez, pós abrasivos para clarear os dentes, óleos de banho e batons eram consumidos principalmente pelas classes mais abastadas. Graças às caravanas que transportavam produtos como seda ou especiarias para a Europa, os cosméticos foram introduzidos na Grécia e no Império Romano.
Durante a Idade Média (476 - início do século 16), a maquilhagem era, em princípio, usada para representar o ideal feminino ocidental da época: as mulheres tinham que ter a pele branca como a flor de lis e bochechas vermelhas como rosas. No entanto, esses produtos estavam disponíveis apenas para os ricos.
Durante o Renascimento (século 16), durante o reinado de Luís XIV, as pessoas consumiam muitos perfumes para lidar com a falta de higiene. Enquanto a França assume a liderança em maquilhagem, os italianos firmam-se como os principais produtores e fornecedores de produtos de beleza. Porém, o ser humano ainda não sabe que alguns produtos usados na cosmética, como o chumbo, que pode estragar a tez, podem desencadear a calvície ou mesmo com o uso prolongado podem levar à morte.

Mulher renascentista
Foi a partir do século 18 que a cosmética passou a ser acessível a todas as classes sociais. Tanto os homens quanto as mulheres buscavam ter uma aparência completamente superficial: os rostos eram esbranquiçados e as linhas das veias eram delineadas em azul. Depois da Revolução Francesa, os homens deixaram de maquilhar-se mais e as mulheres de honra só usaram colónia e pó branco.

Desde o século XX e principalmente com a industrialização, os cosméticos são cada vez mais diversos e variados e cada vez mais utilizados. Atualmente, muitos deles são feitos com produtos sintéticos ou mesmo derivados de petróleo, o que tem permitido que os seus preços caiam drasticamente.
Hoje em dia, os cosméticos são usados acima de tudo para agradar, para se sentir bonita, para se sentir bem consigo mesma. Cada vez mais homens estão usando. Além disso, os cosméticos são usados por todas as gerações: por exemplo, para bebés, costumamos usar leite corporal.
Os idosos, por outro lado, podem usar cremes para repelir os sinais de envelhecimento.
Por fim, as pessoas mais jovens e ativas procuram imitar uma determinada imagem veiculada pela publicidade e pelas “pessoas”, maquilhando-se como elas.


 

Newsletter Subscribe


We do not currently have this product in stock. Enter your email to receive notification as soon as the product is available.