Puig


Se o nome Puig não significa nada para você, você certamente conhece seus perfumes: 1 Million ou Invictus, de Paco Rabanne, L'Air du temps, de Nina Ricci, Candy, de Prada ... Best-sellers planetários que quase todos viram a luz do dia em um laboratório catalão. O peso-pesado do luxo também possui marcas de pronto-a-vestir como Jean Paul Gaultier, Carolina Herrera e Paco Rabanne.

Hoje, a terceira geração está no comando, pilotada por Marc Puig. "Fico lisonjeado de ver meu pai e seus irmãos tão orgulhosos de nós. Nunca me esqueço de que meu bisavô era plantador de batatas. Sua variedade vendia bem na Inglaterra, então ele mandou o filho estudar. Em Londres. É onde nossa história começou ", diz o reservado CEO do grupo.

De fato, há cem anos, Antonio Puig embarcou em um navio rumo à América, com a esperança de vender suas fragrâncias e seu famoso batom ibérico Milady, graças às suas noções de inglês.

Algumas dezenas de milhões de garrafas vendidas depois, o negócio está florescendo. Porque a marca sempre soube se questionar. Ao longo dos anos, Puig comprou marcas de perfumes, shampoos, cosméticos, protetores solares ... Mas, há dez anos, foi complicado, as dívidas estavam se acumulando e as vendas despencaram. “Estávamos muito dispersos, então eliminamos alguns para focar na moda e no perfume. E então corremos riscos”, lembra Marc Puig.

Entre suas ousadias mais lucrativas (com mais de 28 milhões de unidades vendidas desde 2008), estão os perfumes da série Million, assinados por Paco Rabanne, embalados em frascos em forma de barras de ouro e associados a publicidades bling-bling.

Através desse sucesso, a equipe de Puig não hesitou em ter uma visão oposta do mercado e imaginar uma fragrância original e diferente. “Procuramos ser criativos e contar histórias diferentes. Afinal, Paco Rabanne também começou com 12 vestidos improváveis ​​e nunca gostou dos padrões. Por isso, através dos perfumes, procuramos seguir a sua filosofia”, explica Marc Puig, com um sorriso malicioso.

Uma aposta coroada por um grande sucesso comercial. Puig, que está atrás de gigantes como L'Oréal ou Procter-Gamble, é um caso clássico estudado em Harvard, mas continua sendo uma empresa familiar.




Categoria:

NOVIDADES

Inscreva-se na Newsletter